11 de julho de 2018 - Fonte: Portal Regional - Fotógrafo: Divulgação

O Ministério da Saúde apontou que Ouro Verde e Nova Guataporanga atingiram metas de cobertura vacinal de 46,06% e 14,71%, respectivamente; os municípios rebatem que os dados informados não correspondem aos das cidades

O Ministério da Saúde por meio do Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI) informou no fim do mês passado que 312 cidades do País estão com risco de surto de poliomielite. Conforme os dados divulgados, na região há dois municípios com baixos índices de cobertura vacinal contra a doença em crianças menores de 1 ano, sendo: Ouro Verde e Nova Guataporanga com 46,06% e 14,71%, respectivamente.

A reportagem do Jornal Regional entrou em contato com os responsáveis da área de saúde de ambos os municípios.

Segundo a secretária de Saúde de Ouro Verde, Geni Pereira Lobo Pesin, os dados divulgados pelo Ministério da Saúde não correspondem com os da cidade. De acordo com ela, o quantitativo de crianças existente no município e que têm fichas cadastradas no sistema de saúde não é igual ao do Ministério da Saúde.

Geni informou que a meta de imunização de crianças menores de 1 ano atingiu 95%. Ainda conforme ela, a Secretaria de Saúde de Ouro Verde está reavaliando e atualizando as fichas cadastrais das crianças. “A enfermeira chefe da Vigilância Epidemiológica está entrando em contato com o Ministério da Saúde para comparar os dados que não condizem com a divulgação”, disse Geni.

É o que diz também, a enfermeira da UBS-ESF de Nova Guataporanga, Fernanda Inácio Volpe, sobre os dados informados pelo Ministério da Saúde que não condizem com o município.

De acordo com a profissional da saúde, as fichas cadastrais das crianças menores de 1 ano já estão sendo avaliadas e atualizadas. Ela ressaltou que quando os pais não levam as crianças para serem imunizadas e têm as doses da vacina em atrasado, os agentes de saúde realizam visitas domiciliar para saberem o porquê da não procura da imunização.

Fernanda informou que o quantitativo de crianças é baixo na cidade. “Imunizamos uma média de duas crianças por mês e vinte ao ano”, disse.

POLIOMELITE

Poliomielite, ou paralisia infantil, é uma doença contagiosa aguda causada pelo poliovírus (sorotipos 1, 2, 3), que pode infectar crianças e adultos por via fecal-oral (através do contato direto com as fezes ou com secreções expelidas pela boca das pessoas infectadas) e provocar ou não paralisia.

A multiplicação desse vírus começa na garganta ou nos intestinos, locais por onde penetra no organismo. Dali alcança a corrente sanguínea e pode atingir o cérebro. Quando a infecção ataca o sistema nervoso, destrói os neurônios motores e provoca paralisia flácida em um dos membros inferiores. (Com informações do site www. drauziovarella.uol.com.br)

Por Carlos Volpi da Redação
Portal Regional